Espaço saúde

Leve uma vida mais saudável

Esclerose Múltipla, O que você precisa saber sobre ela

Compartilhe:
 
Autor: Maria Helena Varella Bruna Postado dia: 28 agosto - 2019

A Esclerose Múltipla é uma doença neurológica, crônica e autoimune, explicando melhor, as células de defesa do organismo atacam o próprio sistema nervoso central e isso causa lesões cerebrais e medulares.

Em geral, a doença acomete pessoas jovens, entre 20 e 30 anos, e provoca dificuldades motoras e sensitivas, a causa da doença ainda não é conhecida, porém sua evolução difere de pessoa para pessoa.

SINTOMAS DA ESCLEROSE MÚLTIPLA
É uma doença que não possui cura e pode se manifestar através de diversos sintomas, a fadiga intensa, depressão, fraqueza muscular, alteração do equilíbrio, da coordenação motora, dores nas articulações e disfunção intestinal e da bexiga.

A Esclerose Múltipla:

NÃO é uma doença mental.
NÃO é contagiosa.
NÃO é suscetível de prevenção.
NÃO tem cura e seu tratamento consiste em atenuar os afeitos e desacelerar a progressão da doença.
Seu diagnóstico é clínico e por exames de imagem, como a Ressonância Magnética.

TRATAMENTO DA ESCLEROSE MÚLTIPLA
Uma vez que confirmado o diagnóstico, o tratamento tem dois objetivos principais. São eles abreviar a fase aguda e tentar aumentar o intervalo entre um surto e outro.

Embora não seja alterada a evolução da doença, é importante manter a prática de exercícios físicos, pois eles podem fortalecer os ossos, melhorar o humor, ajudar no controle do peso e contra sintomas como a fadiga, mas lembre-se de fazer atividade sempre com acompanhamento.

Quando os movimentos estão comprometidos, a fisioterapia ajuda a reformular o ato motor, dando ênfase à contração dos músculos ainda preservados;

O tratamento fisioterápico associado a determinados remédios ajuda também a reeducar o controle dos esfíncteres;
Nas crises agudas da doença, é aconselhável o paciente permanecer em repouso.

Conhece alguém que sente sintomas como esses? Compartilhe esse conteúdo e evite que mais pessoas sofram devido o diagnóstico tardio.

Fonte: drauziovarella.uol.com.br

Comente este artigo

Artigos Relacionados

Eletroneuromiografia, para que serve e como é feito.

8 exames do coração: conheça os tipos e como funcionam.

“O coração dói, doutora?”

Semana do sono – Dormir bem, faz bem para a saúde

Convênios

Conheça nossos convênios